Doença de Crohn

A Doença de Crohn recebeu este nome por conta de uma homenagem ao médico Burrill B. Crohn, que junto a colegas de profissão publicou um artigo em 1932 onde descreveu a enfermidade.

A doença pertence a um grupo de enfermida¬des conhecido como “doenças inflamatórias intestinais, também conhecida como DII”. Se trata de uma doença inflamatória crônica do trato gas¬trointestinal que pode afetar da boca ao ânus, tanto o começo do cólon quanto a espessura da parede intestinal.

Quando ocorre uma inflamação em algum dos órgãos que compõe esse sistema, pode haver uma má absorção de água, eletrólitos e nutrientes ocasionando, por exemplo, a diarreia, que pode ser um sintoma comum durante uma crise.

Referência:

  1. ABCD Arq Bras Cir Dig 2013;26(4):253-255
  2. Doença Inflamatória Intestinal – 2º Edicação W S Cardozo; C W Sobrado 2015

Quem é afetado?

A doença de Crohn geralmente afeta pessoas jovens entre 15 e 35 anos de idade. A doença tende a ser genética, com estudos mostrando que 20% a 25% dos pacientes com a doença de Crohn têm um parente próximo também com a doença de Crohn ou colite ulcerativa.

O que causa a Doença de Crohn? Doença de Crohn tem cura?

Ninguém sabe exatamente o que causa a Doença de Crohn, mas uma coisa é certa: Ninguém o contagiou e nenhum alimento ou estilo de vida estressante ocasionou a doença, mas pode estar associado com o agravamento da condição clínica. Então, acima de tudo, não se culpe.

A maioria dos especialistas acreditam que há uma explicação multifatorial onde os três principais fatores suspeitos são:

  1. Ambiental
  2. Genético
  3. Imunológico, a partir de uma reação inapropriada do sistema imunológico.

A Doença de Crohn é uma doença crônica. Elas po¬dem ser controladas com tratamento, mas não podem ser curadas. Muitas doenças, como diabetes, pressão alta e doenças cardíacas são tratadas com sucesso, mas não curadas. Normalmente pessoas com doença inflamatória intestinal têm a mesma expectativa de vida de pessoas sadias. É importante lem¬brar que, quando a doença está controlada, as pessoas com doença de Crohn tem uma vida plena, feliz e produtiva.

Referência:

  1. Timmer. Digest Disease. 2003;21: 91–104
  2. Seigmond B, et al. Eur. J. Immunol. 2009. 39: 1991–2058
  3. Bernstein CN et al. Inflamm Bowel Dis. 2009:16(1);112-24
  4. “Take Charge”, Crohn’s & Colitis Foundation of America, 2008: a quick guide to dietary supplements, pg. 33

Quais são os sinais e sintomas da Doença de Crohn? Como devo lidar com os sintomas?

Devido a inflamação, a parede intestinal perde a capacidade de absorver água do ma¬terial residual que passa pelo cólon. Isso faz com que as fezes se amoleçam, ocorrendo a diarreia. A parede intestinal danifica¬da pode começar a produzir excesso de muco nas fezes.

A maioria das pessoas com Doença de Crohn têm urgên¬cia para defecar, além de dor abdominal e cólicas, per¬da de apetite e, consequentemente, perda de peso. Esses sintomas, junto com a anemia, podem também levar à fadiga.

Esses sintomas variam de pessoa para pessoa e podem mudar ao longo do tempo.

Pelo fato da Doença de Crohn ser crônica, os pacientes passam por períodos nos quais a doença “desperta” (torna-se ati¬va) e causa sintomas. Entre crises, as pessoas podem não sentir nenhum incômodo, esses períodos livres de sintomas (conhecidos como “remissão”) podem durar meses e até anos, apesar de que os sintomas normal¬mente retornam em algum momento.

A inflamação pode também causar o desenvolvimento de uma fístula ocorrem normalmente ao redor da área anal, se essa complicação ocorrer, você pode no¬tar evacuação de muco, pus ou fezes por essa abertura.

A melhor maneira de controlar a Doença de Crohn é tomar a medicação seguindo a recomendação médica. Entretanto, é possível que os medicamentos não elimi¬nem imediatamente os sintomas que você está sentin¬do. Fale com seu médico sobre os medicamentos que você pode comprar para aliviar esses sin¬tomas, e que devem ser tomados quando necessário.

Referência:

  1. CCFA. About Crohn’s Disease. Disponible en: http://www.ccfa.org/info/about/crohns
  2. Friedman S et al. In: Kasper DL, et al., eds. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 16th ed.2005.
  3. Pariente B, et al. Inflamm Bowel Dis 2010; epub 28 Nov 2010